Fio (EDM)

FIO ELECTROEROSÃO (EDM)

Fio Electroerosão (EDM):
A electroerosão é um processo de fabricação, também conhecido como Mecanizado por Descarga Eléctrica ou EDM.


O processo de electroerosão consiste na geração de um arco eléctrico entre uma peça e um eléctrodo em um meio dieléctrico para arrancar partículas da peça até conseguir reproduzir nela as formas do eléctrodo. Ambos, peça e eléctrodo, devem ser condutores, para que possa estabelecer-se o arco eléctrico que provoque o arranque de material.


Basicamente tem duas variantes:
O processo que utiliza e eléctrodo de forma, conhecido como Ram EDM, onde o termo ram podia traduzir-se do inglês como "carneiro" e é ilustrativo do "choque" do eléctrodo contra a peça ou vice-versa (peça contra o eléctrodo). 
A que utiliza o eléctrodo de fio metálico ou arame fino, WEDM (donde as siglas descrevem em inglês Wire Electrical Discharge Machining),

A qualidade, material e diâmetro do fio de electroerosão, em conjunção à voltagem e amperagem aplicado, são factores que influenciam directamente a velocidade com que uma peça possa ser trabalhada. Também, a grossura e o material da peça ditam ajustes ao cumprimento do corte.

O acabamento desejado no processo também é factor de consideração que afecta o tempo de ciclo da manufactura, pois o acabamento que este processo deixa na peça pode ser melhorado quanto mais passagens semi-repetitivas de corte sobre a mesma superfície são executados.

O fio metálico de electroerosão pode ser fabricado em latão ou zinco (e molibdeno, em caso de máquinas de fio recirculante). Em práticas de protecção do meio ambiente, depois do uso e descarte do fio de electroerosão usado e seus resíduos, o material do fio, já seja em forma de fio ou esteja pulverizado, é acumulado separadamente a fim de ser reciclado

Existem vários diâmetros no mercado, incluindo 0.010” (0,25mm) e 0.012” (0,30mm). Geralmente o fio de electroerosão vende-se em rolos e por peso, mais do que pelo seu comprimento.

A tensão do fio de electroerosão é importante para produzir um corte efectivo, e por conseguinte uma melhor parte; a sobretensão do fio resulta em que este se parta quando não seja desejado. Mas a ruptura do fio é comum durante o processo, e também necessária. Nas oficinas, os isqueiros utilizam-se como uma forma prática de cortar o fio.

Corte interno e externo 

No corte interno o fio de electroerosão, preso pelas suas extremidades começando por um buraco previamente tradeado e mediante um movimento de vaivém, como o de uma serra, vai socavando a peça até obter a geometria desejada.

O corte externo do fio de electroerosão pode começar o movimento desde o exterior do perímetro da peça até estabelecer o arco; continua o seu movimento até que consegue a periferia desejada.

Vantagens do processo de electroerosão com fio:

Não precisa do mecanizado prévio do eléctrodo.
É um processo de alta precisão. 
Conseguem-se formas complexas. 
Resultados constantes. 
Dependendo da capacidade da máquina, o trabalho com arame pode incluir angularidade variável controlada ou geometria independente (quarto eixo). 
Pode-se mecanizar materiais previamente temperados e assim evitar as deformações produzidas no caso de fazzer este tratamento térmico depois de terminada a peça.

 

Sede

VALENCIA Pol. Ind. Fuente del Jarro C/Ciudad de Elda, 17-19 46988, Paterna, Valencia broncesval@broncesval.com

Comercial Tel. 96 134 07 76
Fax. 96 134 09 43

Admin. Tel. 96 134 34 21
Fax.96 134 12 28

Delegações

CATALUNYA Pol. Ind. Molí dén Xec  Can Barneda, 5  (Junto Baricentro), 08291, Ripollet catalunya@broncesval.com

Tel. 93 565 10 70
Fax. 93 575 39 45

ANDALUCIA Pol. Ind. Calonge C/ Automoción, 1 (Junto Peugeot), 41007, Sevilla andalucia@broncesval.com

Tel. 95 443 06 51
Fax. 95 443 04 29